Concluídos

PROJETOS DE EXTENSÃO

Título Descrição Coordenador Período Financiamento
Consultoria para a elaboração de Estudos, Avaliação e Sistematização de Informações para apoio da CFT e Elaboração de Protocolos Clínicos e Diretrizes terapêuticas da DIAF/SES-SC Elaborar estudos, avaliar e sistematizar informações para apoio da CFT da Diretoria de Assistência Farmacêutica da SES-SC, como ações fundamentais para a qualificação da Assistência farmacêutica no Estado. Foram realizados estudos sobre os processos judiciais demandando medicamentos á Secretaria de estado da Saúde, bem como sobre os processos administrativos encaminhados no âmbito do Programa de medicamentos Excepcionais. Mareni Rocha Farias 2007-2008 Sem Financiamento
Uso Racional de Medicamentos: Experiência Pedagógico-Assistencial Sem Descrição Luciano Soares 2008-2009 Sem Financiamento
Pró-Saúde II: a universidade à serviço da saúde Projeto de extensão que busca incorporar ao processo de formação dos alunos dos cursos da área da saúde da Univille uma abordagem integral do processo saúde-doença e da promoção de saúde. Luciano Soares 2008-2016 Ministério da Saúde
Conhecendo as plantas medicinais: saúde e educação ambiental  O projeto tem como objetivo: 1) realizar ações de educação popular em saúde e meio ambiente no Horto Didático de Plantas Medicinais do Hospital Universitário (HU); e 2) continuar as ações iniciadas no projeto de extensão anterior, sob nova coordenação, com cursos de capacitação, valorizando a troca entre os saberes e práticas populares e acadêmicos, aproximando a comunidade, os profissionais da saúde e os estudantes das questões relacionadas à saúde individual, comunitária/coletiva e ambiental. Dar- se-á continuidade às atividades de ensino, pesquisa e extensão com a implementação dos canteiros para reconhecimento de plantas medicinais e esclarecimento científico, e identificação de espécies vegetais que necessitam de aprofundamento dos estudos que viabilizem seu uso racional. Para a melhoria do espaço físico do Horto serão realizados estudos de acessibilidade e estudos para a implementação de um jardim sensorial vindo ao encontro a política pública de inclusão social. Eliana Elisabeth Diehl 2017-2017 UFSC (bolsa)

PROJETOS DE PESQUISA

Título Descrição Coordenador Período Financiamento
Estudo farmacoeconômico em pacientes esquizofrênicos atendidos pelo ambulatório de psiquiatria do CAPS Florianópolis A esquizofrenia constitui o mais comum dos transtornos psiquiátricos graves. Afeta aproximadamente 1% da população e é responsável por um quarto das internações psiquiátricas. A incidência anual da esquizofrenia é de 2 a 4 indivíduos por 10.000 pessoas com idade de 15 a 54 anos, não havendo diferenças significativas entre os índices em países distintos. Homens e mulheres são igualmente afetados. A farmacoterapia tem provado ser o ponto chave na terapêutica da esquizofrenia. Os antipsicóticos ou neurolépticos estabeleceram-se como tratamento de escolha para todos os estágios da doença. A eficácia dos antipsicóticos em amenizar os sintomas psicóticos vem sendo evidenciada em diversas publicações. Problemas comuns com a medicação incluem resposta antipsicótica incompleta em um número significativo de pacientes, baixa eficácia em reverter o mau funcionamento e o prejuízo no comportamento social e interpessoal associado aos sintomas negativos da esquizofrenia, e o surgimento de sintomas extrapiramidais e de toxicidade. Estima-se que 20% dos pacientes mantenham-se refratários ao tratamento com antipsicóticos convencionais. Dos pacientes que estão no primeiro episódio de esquizofrenia, 14% não responderão adequadamente. Aproximadamente, 20 a 30% dos pacientes que inicialmente respondem são passiveis de recaídas, mesmo com a manutenção da terapia antipsicótica. Dessa forma, a despeito da grande eficácia das medicações antipsicóticas no tratamento da esquizofrenia, uma proporção substancial de pacientes continua a experimentar uma significativa psicopatologia clínica e a ter pobre prognóstico em longo prazo. Atualmente, os recursos disponibilizados para atenção sanitária, incluindo a assistência farmacêutica, vêm elevando a importância da avaliação econômica no cenário da saúde, na medida em que se busca um equilíbrio entre a eficiência e a equidade no uso de novos insumos tecnológicos Mareni Rocha Farias 2005-2007 CNPq
Desenvolvimento de metodologias para a avaliação da Assistência Farmacêutica no setor público brasileiro. A garantia do acesso a medicamentos é fundamental para uma população como a brasileira, fortemente dependente do SUS. Entretanto, o acesso deve ser contemplado concomitantemente com o uso racional de medicamentos, através de um conjunto de ações denominadas de Assistência Farmacêutica. Essa, no âmbito do SUS, vem sendo implementada de forma desarticulada e ainda é, na prática, um território pouco definido, apesar dos custos financeiros que gera. Aqui, assume-se a hipótese de que a frágil definição do campo teórico específico da Assistência Farmacêutica, com suas lacunas quanto à delimitação dos objetivos e, principalmente, das metas a serem atingidas, corrobora com as atuais deficiências e dificuldades do SUS nesta área. Nesse sentido, propõe-se a construção de modelos explicativos que explicitem as relações entre Assistência Farmacêutica e atributos relacionados com: (a) a disponibilidade e distribuição social dos recursos (cobertura, acessibilidade e eqüidade); (b) com o efeito das ações (eficácia, efetividade e impacto); (c) os custos e produtividade das ações (eficiência) ou (d) a adequação das ações aos objetivos e problemas de saúde (análise estratégica), para a formulação de uma metodologia de avaliação da Assistência Farmacêutica. Eloir Paulo Schenkel 2006-2008 CNPq
Avaliação da assistência farmacêutica no setor público brasileiro: desafios conceituais e propostas metodológicas Apesar de todas as iniciativas já introduzidas no e através do SUS, no tocante à assistência farmacêutica ainda não foram desenvolvidos mecanismos de monitoramento e avaliação das ações, serviços e programas, de forma a possibilitar uma gestão racional dos recursos, bem como realizar as devidas reorientações das políticas para o setor. Neste projeto, propõe-se investigar as diversas concepções teórico-metodológicas, métodos e instrumentos da prática avaliativa em saúde, tendo-se como hipótese de trabalho que é possível desenvolver metodologia de avaliação para a assistência farmacêutica de forma a responder tanto a questões relativas ao planejamento e gestão dos serviços, quanto a atributos complexos destinados à avaliação macro do sistema (políticas e programas), como integralidade, universalidade e eqüidade. Mareni Rocha Farias 2006-2009 Sem Financiamento
Estudo retrospectivo para análise da resolutividade e do impacto econômico do tratamento de pacientes com hepatite crônica pelo vírus C em municípios de Santa Catarina A infecção pelo vírus da hepatite C (VHC) é um problema mundial de saúde pública. A evolução da doença está associada ao desenvolvimento de cirrose, insuficiência hepática ou hepatocarcinoma, constituindo também a principal indicação de transplante hepático em adultos. O tratamento tem como objetivo primário a supressão sustentada da replicação viral (RVS) e os medicamentos são fornecidos gratuitamente pelo SUS através do Programa de Medicamentos de Dispensação em Caráter Excepcional do Ministério da Saúde. O Protocolo Clínico preconiza o emprego da associação interferon alfa-peguilado + ribavirina para pacientes com infecção causada por vírus de genótipo tipo 1 e interferon interferon alfa, freqüentemente denominado interferon convencional + ribavirina para pacientes com infecção causada por vírus de outros genótipos. Entre os critérios de exclusão está o tratamento prévio sem resposta virológica ou bioquímica ao tratamento. O custo mensal por paciente para a Secretaria de Estado da Saúde de Santa Catarina SES-SC, utilizando interferon peguilado + ribavirina, é de R$ 4.025,44, sendo o custo do tratamento com interferon convencional + ribavirina de R$ 123,12. A definição do medicamento de acordo com o genótipo viral, bem como os critérios de exclusão, têm sido as principais causas para a demanda judicial para o fornecimento de interferon peguilado. Assim, propõe-se a obtenção de dados comparativos sobre a efetividade dos tratamentos dos pacientes que seguem os esquemas preconizados no Protocolo Clínico com aqueles que recebem medicação por demanda judicial, bem como sobre aspectos relacionados à aceitação dos pacientes em relação aos tratamentos, os motivos de abandono do tratamento ou sobre a evolução do quadro clínico dos pacientes. Esses dados poderão contribuir para a reavaliação dos protocolos clínicos, principalmente no que diz respeito aos critérios de inclusão e exclusão, bem como para a análise de custo/efetividade em cada um dos grupos. Mareni Rocha Farias 2007-2009 FAPESC
Avaliação do impacto da judicialização na alocação de recursos e na sustentabilidade da Política Nacional de Assistência Farmacêutica em Santa Catarina Objetivo geral: Avaliar o impacto da judicialização na alocação de recursos e na sustentabilidade da Política Nacional de Assistência Farmacêutica em Santa Catarina Objetivos específicos: Descrever o tipo de demanda judicial e os custos para o atendimento. Comparar as demandas decorrentes de processos judiciais com a lista de medicamentos disponibilizados pela SES e /ou Ministério da Saúde, através dos diferentes programas. Verificar os principais grupos de indicações terapêuticas encontrados nos processos judiciais e analisar o impacto econômico por grupo de indicações. Para os grupos selecionados, considerando o impacto financeiro, comparar as indicações constantes nos processos judiciais com aquelas aprovadas no país e/ou constantes nos Protocolos Clínicos e Diretrizes Terapêuticas. Comparar também dose, posologia, duração do tratamento e esquemas terapêuticos. Selecionar situações de maior impacto financeiro e/ou situações em que a demanda judicial é a única alternativa de acesso e avaliar o impacto econômico para o sistema de saúde, bem como de sua inclusão no sistema de saúde utilizando modelos de decisão, segundo os princípios da farmacoeconomia Mareni Rocha Farias 2008-2010 CNPq
Inserção de tecnologias à distância combinadas com presenciais no ensino na área da saúde A área de Assistência Farmacêutica vem se desenvolvendo no Brasil durante as últimas décadas. Apesar dos avanços alcançados, fóruns de discussão evidenciaram a necessidade de qualificação de pessoal e de formação de pesquisadores e professores com programas de pós-graduação específicos. Pela distribuição geográfica dos docentes e pela necessidade de se chegar a todas as regiões é prioritário que se pesquise e se desenvolvam tecnologias presenciais e a distância relacionadas ao ensino na área da saúde. A presente proposta foi elaborada por um conjunto de pesquisadores de três IES e tem por objetivo contribuir para a consolidação da linha de pesquisa em tecnologias presenciais e a distância no Ensino da Saúde por meio da produção de tecnologias aplicáveis na área da saúde, tanto no ensino de graduação e pós-graduação, como na interação entre universidade e serviços de saúde. Mareni Rocha Farias 2011-2017 CAPES
Pesquisa nacional sobre acesso, utilização e uso racional de medicamentos no Brasil – PNAUM O objetivo geral deste projeto consiste em avaliar o acesso, o uso racional e a utilização de medicamentos pela população brasileira. Os objetivos específicos englobam o estudo da utilização de medicamentos, caracterizando as morbidades ou condições de saúde (em relação à classe terapêutica, número de medicamentos utilizados, motivo do uso, medicamentos dos componentes da atenção básica, estratégicos e/ou do componente especializado, e medicamentos prescritos e não prescritos). Os medicamentos serão avaliados segundo o local de obtenção (farmácia pública ou privada, unidade básica de saúde, hospital ou outros locais de distribuição de medicamentos) e a forma de pagamento (pago pelo indivíduo, co-pagamento, gratuidade do produto, acessibilidade ao preço, acessibilidade geográfica, fonte do subsídio e aceitabilidade). As demais análises incluem o estudo de indicadores de racionalidade do uso (adequado para a idade e interações medicamentosas) e do grau de seguimento das prescrições em relação à adesão, persistência, não adesão intencional, e aos cuidados com doenças de alta prevalência como Hipertensão Arterial e Diabetes Mellitus. Por fim, será caracterizado o uso e o acesso a medicamentos segundo variáveis demográficas, sociais, de estilo de vida e de morbidade, incluindo: sexo, idade, cor da pele, situação conjugal, peso e altura referidos; nível sócio econômico, escolaridade e ocupação; consumo de produtos derivados do tabaco, de bebidas alcoólicas e prática de atividade física. Sotero Serrate Mengue 2011-2017 Ministério da Saúde
Estimativa dos custos associados ao tratamento da artrite reumatoide no Componente Especializado da Assistência Farmacêutica, Florianópolis/SC, 2014-2015 A artrite reumatoide (AR) é uma doença inflamatória crônica, autoimune, caracterizada pelo acometimento poliarticular simétrico e progressivo que, frequentemente resulta em deformidades articulares. A dor e as deformidades articulares geram incapacidade funcional e reduzem a qualidade de vida dos pacientes. O tratamento da AR envolve a utilização de medicamentos de alto custo, terapias não farmacológicas, consultas médicas, exames complementares e outros procedimentos, resultando em um impacto econômico significativo para o indivíduo, bem como para o sistema de saúde e para a sociedade. Considerando os princípios dos estudos de avaliação de tecnologias em saúde, para a tomada de decisão, se faz necessário conhecer todos os recursos consumidos e saber se os investimentos realizados contribuem para melhoria da qualidade de vida dos indivíduos. Diante deste contexto, o presente estudo tem como objetivo mensurar os recursos consumidos e estimar os custos do tratamento para AR (CID-10 M05 e M06), por meio do Componente Especializado de Assistência Farmacêutica, utilizando como modelo o serviço de dispensação aos pacientes do município de Florianópolis/SC. Realizar-se-á um estudo de custo-análise, onde a quantificação e custeio dos recursos associados ao tratamento da AR serão determinados por meio de um estudo observacional, descritivo e prospectivo. Os pacientes serão acompanhados mensalmente, na Farmácia Escola UFSC/PMF, durante um período de doze meses, por meio de formulários, especificamente, elaborados para atender os objetivos do estudo. A estimativa dos custos associados ao tratamento da AR será realizada por meio da somatória dos custos diretos e indiretos. Os custos diretos serão mensurados por meio da técnica micro-costing, e valorados, conforme a fonte pagadora, utilizando-se preços de mercado, custos unitários padrões e remunerações. Os custos indiretos serão representados pela aposentadoria precoce, o absenteísmo laboral e o absenteísmo laboral devido à perícia médica os quais serão mensurados de forma mista, utilizando a técnica micro-costing (absenteísmo laboral) e gross-costing (aposentadoria precoce e absenteísmo laboral devido à perícia médica). Os custos indiretos serão quantificados utilizando o método do capital humano. Os recursos e respectivos custos do serviço de dispensação serão empregados na construção de um modelo de serviço, a ser validado em uma oficina de especialistas, com a participação de responsáveis por outros locais de dispensação do Estado. O projeto foi submetido ao Comitê de Ética em Pesquisa com Seres Humanos da UFSC (Protocolo 082135/2013). Mareni Rocha Farias 2014-2017 FAPESC-PPSUS, CNPq (bolsa)
Acesso a medicamentos para asma grave e acessibilidade de serviços do componente especializado da assistência farmacêutica em Santa Catarina O uso de medicamentos é um fenômeno social complexo e multideterminado, que é onipresente na atenção à saúde. Compreender o comportamento do uso de medicamentos dos sujeitos em tratamento farmacológico é útil para orientar políticas, redefinir serviços, propiciando o aprimoramento da acessibilidade e a ampliação do acesso. O Modelo Comportamental do Uso de Serviços de Saúde (modelo de Andersen) adaptado para medicamentos, permite explicar esse fenômeno, de forma a levar em consideração a complexidade dos fatores envolvidos, relacionando os condicionantes contextuais às variáveis individuais, os respectivos comportamentos aos resultados em saúde. O Componente Especializado da Assistência Farmacêutica (CEAF) é uma estratégia de acesso a medicamentos no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), que busca a garantia da integralidade do tratamento medicamentoso, em nível ambulatorial. As Farmácias Escola da Univille e da UFSC são centros de custo do CEAF em Santa Catarina. Dentre diversos medicamentos, nessas farmácias são disponibilizados medicamentos para o tratamento da Asma Grave. O objetivo do presente projeto é avaliar o acesso a medicamentos para asma grave e a acessibilidade de serviços do componente especializado da assistência farmacêutica em Santa Catarina envolvidos no tratamento dessa doença. Com o total de pacientes cadastrados nos centros de custo, uma pesquisa quantitativa com dados secundários do Sismedex (sistema informatizado do CEAF) traçara um perfil dos pacientes e da doença. Uma pesquisa qualitativa, incluindo pacientes com Asma cadastrados no CEAF, por meio de entrevistas semiestruturadas, analisará dimensões, fatores e características do modelo de Andersen relacionados ao uso de medicamentos. A amostra será definida por saturação. A análise será realizada por meio do software Atlas.ti. Para avaliar a acessibilidade imagens em vídeo e observações serão registradas sobre os serviços da linha de cuidados para a Asma, nos dois municípios. Oficinas de construção dos instrumentos, para treinamento, discussão dos resultados e difusão do conhecimento serão realizadas junto às duas farmácias e universidades ao longo do projeto. O desenvolvimento desse trabalho apresenta uma interface com a produção de cuidados no âmbito da Assistência Farmacêutica, e os resultados podem ser refletidos pelos atores do próprio serviço, buscando­se incorporar transformações às práticas que ampliem e qualifiquem o acesso. Luciano Soares 2014-2017 FAPESC – PPSUS
Política, Planejamento e Gestão das Regiões e Redes de Atenção à Saúde no Brasil A pesquisa Política, Planejamento e Gestão das Regiões e Redes de Atenção à Saúde no Brasil tem como principal objetivo avaliar, sob a perspectiva de diferentes abordagens teórico ? metodológicas, os processos de organização, coordenação e gestão envolvidos na conformação de regiões e redes de atenção à saúde, e seu impacto para melhoria do acesso, efetividade e eficiência das ações e serviços no SUS. Trata-se de identificar as condições que estejam favorecendo ou dificultando a 4 regionalização nos estados e a conformação das redes de atenção à saúde. Isso permitirá a compreensão dos possíveis entraves à diminuição das desigualdades na universalização da saúde no Brasil.A pesquisa é financiada com recursos provenientes do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) e do Ministério da Saúde, por meio da Chamada MCTI/CNPq/CT – Saúde/MS/SCTIE/Decit Nº 41/2013. Seu principal objetivo é “apoiar projetos de pesquisa científica e tecnológica que contribuam significativamente para o desenvolvimento científico e tecnológico do País e que levem à produção de conhecimento para a efetivação do direito universal à saúde”. O trabalho insere-se na Linha de pesquisa nº 5 do referido Edital: identificação e análise de iniciativas inovadoras de melhoria da efetividade e da eficiência dos processos da coordenação e organização das redes assistenciais e regiões de saúde e seu impacto nos fluxos de demanda e estruturação da oferta. Ana Luiza d´Ávila Viana 2013-2016 CNPq
Qualificação dos serviços farmacêuticos no SUS: extensão, pesquisa e formação de pessoal A presente proposta parte da experiência dos últimos anos em atividades de pesquisa, extensão e formação de pessoal voltadas para a qualificação dos serviços farmacêuticos no Sistema Único de Saúde (SUS). No Programa de Pós-Graduação em Farmácia da UFSC, o grupo tem orientado trabalhos de mestrado na linha de pesquisa Garantia da qualidade de insumos, produtos e serviços farmacêuticos, os quais focaram questões relacionadas aos serviços farmacêuticos, na maioria relacionados ao SUS. As teses de doutorado em andamento aprofundam questões teóricas sobre o acesso a medicamentos e o conceito de assistência farmacêutica no Brasil, bem como estudos de avaliação de tecnologias em saúde. Também foram desenvolvidas atividades de extensão junto à Diretoria de Assistência Farmacêutica da Secretaria de Estado da Saúde de Santa Catarina – DIAF-SES-SC de assessoria e consultoria, as quais propiciaram, também, o desenvolvimento de dissertações de mestrado. A experiência acumulada levou à implementação, em 2008, da Farmácia Escola UFSC/PMF, na qual são desenvolvidas atividades de ensino, pesquisa e extensão. Esta Farmácia resulta de um convênio entre a Universidade Federal de Santa Catarina e a Prefeitura Municipal de Florianópolis para o atendimento farmacêutico dos munícipes que utilizam medicamentos do Componente Especializado da Assistência Farmacêutica e aos usuários do ambulatório do Hospital Universitário que utilizam medicamentos do Componente da Assistência Farmacêutica na Atenção Básica. No âmbito da formação de pessoal, além da docência nos Cursos de Graduação e Pós-Graduação em Farmácia da UFSC, o grupo atua na Residência Multiprofissional em Saúde da Família da UFSC. Também atuou nos cursos de especialização Multiprofissional em Saúde da Família e Gestão da Assistência Farmacêutica, na modalidade presencial e a distância. Mareni Rocha Farias 2012-2015 Ministério da Saúde
Avaliação, estruturação e qualificação da capacidade de gestão da assistência farmacêutica no SUS Este projeto de pesquisa se propõem o estudar estratégias de estruturação e qualificação da gestão da assistencia farmacêutica no sistema público de saúde, e avaliar a capacidade da gestão descentralizada da Assistência Farmacêutica nos municípios e serviços. Parte do pressuposto de que o fato de ainda prevalecer uma visão mais procedimental sobre a assistência farmacêutica, informada por uma lógica conceitual de matriz funcionalista, privilegia sua condição de fornecedora de medicamentos constrangendo sua natureza estratégica para a promoção do uso racional de medicamentos e consolidação do SUS. Argumenta-se que esta situação associada ao entendimento ainda limitado sobre a assistência farmacêutica favorece com que sua gestão se volte mais para o desenvolvimento de atividades de natureza técnica-administrativa- gerencial do que as de natureza estratégica e política que fomentem maior participação, autonomia e sustentabilidade dos seus resultados. Propõem-se a aplicação de estratégias de estudo qualitativas e quantitativas e seus respectivos instrumentos de pesquisa: a aplicação de indicadores dos âmbitos organizacional, operacional e de sustentabilidade da gestão desenvolvidos pelo Núcleo de Estudos e Pesquisa em Assistência Farmacêutica da Faculdade de Farmácia da Universidade Federal da Bahia, pesquisa documental em atas dos conselhos municipais de saúde e círculos de debates com gestores, usuários e profissionais. Pretende-se promover avanços no processo de gestão nos municípios e estados pelo desenvolvimento do próprio estudo e a geração de bases conceituais e práticas aplicadas para a formação de recursos humanos e instrumentos de gestão da assistência farmacêutica Silvana Nair Leite 2011-2014 FAPESC
Avaliação do modelo de atenção diferenciada aos povos indígenas: os casos Kaingáng (Santa Catarina) e Munduruku (Amazonas) Esta pesquisa tem como objetivo central avaliar de que modo a proposta de uma atenção diferenciada à saúde indígena vem sendo implementada nas realidades Kaingáng de Santa Catarina e Munduruku do Amazonas. Com a implantação dos Distritos Sanitários Especiais Indígenas em 1999, aumentou nas Terras Indígenas o número de profissionais envolvidos na atenção à saúde, no intuito de desenvolver formas de atenção diferenciada e de incrementar a participação dos índios nos serviços de saúde, bem como de contribuir para a qualidade dos serviços num contexto intercultural. Um dos princípios da Política Nacional de Atenção à Saúde dos Povos Indígenas é o da atenção diferenciada, que deve tanto contemplar a especificidade sociocultural do grupo como reconhecer a eficácia da sua medicina e os direitos à sua cultura. Assim, as diretrizes da Política contemplam, entre outras, a necessidade de articulação dos sistemas tradicionais indígenas de saúde com os serviços de saúde. Nas aldeias, a Equipe Multiprofissional de Saúde Indígena (EMSI) deve realizar a atenção básica, articulando suas ações com os serviços de média e alta complexidades do Sistema Único de Saúde. Apesar da importância atribuída ao conceito de atenção diferenciada e do aumento do número de profissionais das EMSI, são raras as pesquisas que visem avaliar o modo como ele vem sendo concretizado. Os objetivos específicos deste projeto visam identificar o perfil epidemiológico dos problemas definidos como focos da pesquisa (“problemas-foco”: hipertensão arterial, diabetes mellitus e alimentação e nutrição), os problemas de saúde definidos pelas comunidades como sendo prioritários e as situações nas quais acontece a participação da comunidade. No que se refere às EMSI, serão identificadas a composição e o perfil das Equipes, as estratégias institucionais de capacitação a elas dirigidas, os programas de saúde e as ações previstas e aquelas efetivamente realizadas pelas EMSI, especialmente para os problemas-foco. Esther Jean Langdon 2008-2012 OPAS, Ministério da Saúde
Medicamentos nos contextos locais indígenas Kaingáng e Xokleng (Santa Catarina). Este estudo será realizado entre os Xokleng da Terra Indígena (TI) Ibirama e os Kaingáng da TI Xapecó, ambas situadas no Estado de Santa Catarina, tendo como objetivos centrais a investigação sobre os entendimentos e práticas relacionados ao consumo de medicamentos e o papel do Agente Indígena de Saúde (AIS) neste contexto de interculturalidade. A pesquisa de campo será conduzida em dois níveis principais (I e II), envolvendo procedimentos antropológicos e epidemiológicos. O nível I corresponde ao trabalho junto ao serviço de atenção à saúde, quando se identificarão os modos de atuação dos seus profissionais, especialmente dos AIS, bem como a dinâmica de utilização de tal serviço, com ênfase na questão dos medicamentos. O nível II está subdividido em dois momentos: a) pesquisa domiciliar junto à comunidade indígena, levantando-se primeiramente dados demográficos, sócio-econômicos e os medicamentos existentes em cada casa; b) aprofundamento das questões sobre uso e percepções de medicamentos a partir do ponto de vista da comunidade e de seus AIS. Eliana Elisabeth Diehl 2007-2010 Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Ministério da Saúde, CNPq
Análise dos Planos Municipais de Assistência Farmacêutica, Santa Catarina, 2006. Objetivo Geral: Analisar os Planos Municipais de Assistência Farmacêutica encaminhados à Diretoria de Assistência Farmacêutica da Secretaria de Estado da Saúde de Santa Catarina no primeiro semestre de 2006; Objetivos Específicos – Caracterizar a Assistência Farmacêutica nos municípios de Santa Catarina; – Descrever o processo de seleção de medicamentos nos municípios estudados, relacionando com a relação de medicamentos padronizados pelo município; ? Analisar as Relações Municipais de Medicamentos Essenciais (REMUMEs) apresentadas pelos municípios, comparando-as com a Relação Nacional de Medicamentos Essenciais (RENAME). – Analisar as prioridades, ações, objetivos e metas apresentados; – Descrever o processo de elaboração dos Planos Municipais de Assistência Farmacêutica. Ana Paula Veber 2006-2008 Sem Financiamento
Medicamentos no contexto local indígena Guarani (Litoral de Santa Catarina) Este estudo será realizado entre os Guarani das Terras Indígenas (T.I.) Biguaçu, Morro dos Cavalos e Massiambu, litoral de Santa Catarina, tendo como objetivo central a investigação sobre os entendimentos e práticas relacionados ao consumo de medicamentos. A pesquisa de campo será conduzida em dois níveis principais (I e II), envolvendo procedimentos antropológicos e epidemiológicos. O nível I corresponde ao trabalho junto ao serviço de atenção à saúde, quando se identificarão os modos de atuação dos seus profissionais, bem como a dinâmica de utilização de tal serviço, com ênfase na questão dos medicamentos. O nível II refere-se à pesquisa domiciliar, dividida em duas partes. Na primeira parte, realizada em todas as casas Guarani das três T.I., levantar-se-ão os dados demográficos e de status socioeconômico e sobre os medicamentos existentes em cada casa. Na segunda parte, serão aprofundadas questões sobre uso e percepções de medicamentos e/ou outros recursos com propriedades terapêuticas. Também, se procurará situar no contexto regional os dados obtidos nesses dois níveis, através da coleta de informações entre os provedores de serviços de saúde, incluindo as várias instâncias políticas e operacionais. Eliana Elisabeth Diehl 2005-2008 UFSC, FAPESC
A cadeia produtiva farmacêutica no estado de Santa Catarina e a sua articulação com o sistema de saúde Este estudo terá como objetivo principal analisar o nível de desenvolvimento da cadeia produtiva farmacêutica no Estado de Santa Catarina, utilizando o Sistema Único de Saúde como referência. Para caracterizá-lo qualitativa e quantitativamente, utilizar-se-á como recursos metodológicos dados da literatura e registros oficiais, pesquisa documental, pesquisa estruturada e geoprocessamento. O impacto fundamental dessa proposta será fornecer subsídio técnico e indicadores para que o Estado possa definir uma política de pesquisa, desenvolvimento e produção no setor farmacêutico, apropriada ao estabelecimento de um ciclo de produção de alto valor agregado, articulada com as necessidades sociais de saúde. Eliana Elisabeth Diehl 2005-2007 CNPq
O Subsistema de Atenção à Saúde do Índio em Santa Catarina (Distrito Sanitário Especial Indígena Interior Sul): o papel do Agente Indígena de Saúde e a articulação entre as práticas de medicina tradicional e a biomedicina Esta pesquisa tem como objetivo central o acompanhamento e a análise da formação e do papel do Agente Indígena de Saúde (AIS) na atenção básica dirigida às comunidades indígenas de Santa Catarina. Para atingir os objetivos, o projeto pretende identificar os AIS atuantes nas Terras Indígenas Xapecó e Ibirama e conduzir entrevistas com estes, com membros das Equipes Multiprofissionais de Saúde Indígena e com funcionários do Distrito Sanitário Especial Indígena Interior Sul, bem como com os prestadores de serviços de média e alta complexidades. A pesquisa caracteriza-se como uma pesquisa interdisciplinar e pretende aproveitar dos métodos da saúde pública e da antropologia, ou seja, métodos quantitativos e qualitativos. Esther Jean Langdon 2003-2005 FAPESC
Comportamentos de pacientes no uso dos serviços e nos processos de cuidados envolvendo medicamentos para o tratamento da asma: uma pesquisa qualitativa Compreender os fenômenos relacionados ao emprego de medicamentos no processo de cuidado tem representado uma demanda cada vez mais crescente às Ciências Farmacêuticas. Situações complexas, como adesão ao tratamento, intoxicações por medicamentos, resultados negativos associados aos medicamentos, necessidades em saúde, são exemplos desses fenômenos. Nesse contexto, o desafio de desenvolver o conhecimento de forma articulada aos valores e às demandas da sociedade é um imperativo de nossos tempos. Esses diversos fenômenos estão relacionados aos fatos compreendidos como comportamentos do uso de serviços de saúde. A asma é um importante problema de saúde pública, com morbidade e mortalidade ainda elevadas. Apesar dos recentes avanços tecnológicos, como utilização de novas abordagens terapêuticas e conhecimento sobre a fisiopatologia da doença, o aumento da prevalência e da mortalidade por asma nas últimas décadas,particularmente em crianças, é um fenômeno preocupante e até certo ponto pouco conhecido. No Brasil, estima-se a prevalência da asma em torno de 10% e, de acordo com o DATASUS, em 2008, a asma foi a terceira causa de internação, com cerca de 300 mil hospitalizações (BRASIL, 2010). Na Farmácia Escola da Univille, atualmente, encontram-se registrados no sistema Sismedex (sistema informatizado de controle do CEAF) 1.271 pacientes em tratamento por asma. Objetivo foi analisar os comportamentos de pacientes no uso dos serviços e nos processos de cuidados envolvendo medicamentos para o tratamento da asma dispensados no serviço da Farmácia Escola – Univille. Luciano Soares 2014-2015 Sem Financiamento
O serviço farmacêutico e sua influência sobre o acesso aos medicamentos – estudo de caso no município de Joinville-SC A assistência farmacêutica apresenta uma carência de dados que permitam avaliar sua eficácia, impacto e eficiência. Grandes variações metodológicas e grandes limitações frente a análises dos dados existentes têm dificultado a obtenção de um diagnóstico significativo da área no Brasil. O presente estudo tem como objetivo avaliar a influência do serviço farmacêutico sobre o acesso aos medicamentos no município de Joinville-SC. Para isso realizar-se-á no município de Joinville-SC, um estudo exploratório, prospectivo, observacional, de corte transversal, do tipo investigação avaliativa de serviço de saúde. A população de estudo será constituída pelas unidades de saúde do município dos níveis de atenção básica (unidades básicas de saúde e estratégia saúde da família), secundária (policlínicas e pronto atendimentos) e terciária (unidades hospitalares), e ainda farmácias comunitárias de prestador privado localizadas nos bairros componentes do plano de amostragem elaborado (exceto para as unidades secundárias e terciárias), bem como, os atores envolvidos com os serviços de saúde e os usuários desses serviços. A metodologia emprega abordagens quantitativa e qualitativa. No primeiro caso será empregado metodologia da OMS denominada Avaliação da Assistência Farmacêutica no Brasil, indicadores complementares e dados do IMS Health-Brasil e avaliação de problemas relacionados com medicamentos estudados em hospital. Adicionalmente, serão avaliados pela abordagem qualitativas grupos implicados que apresentem alta relação com o objeto de estudo e possam contribuir com uma perspectiva que alcance as dimensões políticas e de representações sociais que permeiam os sistemas de saúde. Luciano Soares 2009-2010 Sem Financiamento
Avaliação da gestão dos serviços do Componente Especializado da Assistência Farmacêutica no contexto das Redes de Atenção à saúde Este projeto visa desenvolver um modelo metodológico para avaliar a capacidade de gestão do Componente Especializado da Assistência Farmacêutica (CEAF) em estados brasileiros, assim como aplicar a avaliação em dois estados brasileiros, com o objetivo de conhecer os fatores que vem comprometendo ou facilitando o acesso aos medicamentos e a organização dos serviços neste âmbito da assistência farmacêutica no SUS. Avaliar este Componente é detectar obstáculos e oportunidades e propor estratégias de avanços na gestão, visando a melhoria da qualidade do processo de implementação e do desempenho desta política que atende as situação de alto impacto social. Aperfeiçoar a gestão deste que é o maior Componente da Assistência Farmacêutica em volume de recursos financeiros é um dos objetivos finais deste projeto. Segundo estudos sobre a Assistência Farmacêutica em nosso país ainda prevalece uma visão mais procedimental sobre a Assistência Farmacêutica, o que privilegia sua condição de fornecedora de medicamentos constrangendo sua natureza estratégica para a promoção do uso racional de medicamentos. Este entendimento ainda limitado sobre a Assistência Farmacêutica favorece com que sua gestão se volte mais para o desenvolvimento de atividades de natureza técnica-administrativa-gerencial do que as de natureza estratégica e política, ou aquelas que fomentem maior participação, autonomia e sustentabilidade dos seus resultados. Outros estudos observaram que os municípios e estados enfrentam problemas relacionados ao desenvolvimento e qualidade dos serviços farmacêuticos, debilidade na infra-estrutura e operacionalidade, além da dificuldade no atendimento da demanda populacional por medicamentos. Este projeto utilizará duas estratégias de pesquisa. A primeira será a elaboração e validação por especialistas e gestores dos estados e do Ministério da Saúde, dos indicadores para construção de um modelo teórico-metodológico de avaliação da gestão do CEAF. A segunda estratégia será realizada pós-validação do modelo de avaliação, aplicando coleta de dados para verificação dos indicadores e entrevistas estruturadas com informantes chaves em estados brasileiros no sentido de identificar os fatores condicionantes (positivos e/ou negativos) da gestão da Assistência Farmacêutica. Dois produtos são esperados como resultados do projeto: um modelo de avaliação especialmente desenvolvido para a gestão deste programa, apoiado pelo Ministério da Saúde, para avaliar a gestão e execução do programa nos estados brasileiros; a avaliação da gestão do CEAF em dois importantes estados brasileiros, permitindo diagnosticar o grau de desenvolvimento neste estados e comparações entre os dois diferentes modelos de gestão. Silvana Nair Leite 2013-2017 FAPESC
Adesão ao tratamento da tuberculose: o papel dos herbal healers africano Edital 16/2010 – PROÁFRICA- Chamada 1: Apoio Financeiro à Realização de Visitas Exploratórias. Silvana Nair Leite 2011-2012 CNPq
Acesso e padrão de utilização de medicamentos no município de PIÇARRAS/SC: inquérito de base populacional Sem descrição Silvana Nair Leite 2010-2013 CNPq
Assistência farmacêutica nos municípios catarinenses: avaliação e qualificação da capacidade de gestão Este projeto de pesquisa se propõem a analisar a capacidade da gestão descentralizada da Assistência Farmacêutica nos municípios catarinenses e promover sua qualificação, com o objeto de identificar seus condicionantes de sucesso e de constrangimentos na evolução do processo de gestão. Parte do pressuposto de que o fato de ainda prevalecer uma visão mais procedimental sobre a assistência farmacêutica, informada por uma lógica conceitual de matriz funcionalista, privilegia sua condição de fornecedora de medicamentos constrangendo sua natureza estratégica para a promoção do uso racional de medicamentos. Argumenta-se que esta situação associada ao entendimento ainda limitado sobre a assistência farmacêutica favorece com que sua gestão se volte mais para o desenvolvimento de atividades de natureza técnica-administrativa- gerencial do que as de natureza estratégica e política que fomentem maior participação, autonomia e sustentabilidade dos seus resultados. Propõem-se a aplicação de 3 estratégias e seus respectivos instrumentos de pesquisa: a aplicação de indicadores dos âmbitos organizacional, operacional e de sustentabilidade da gestão desenvolvidos pelo Núcleo de Estudos e Pesquisa em Assistência Farmacêutica da Faculdade de Farmácia da Universidade Federal da Bahia, pesquisa documental em atas dos conselhos municipais de saúde e círculos de debates com gestores e profissionais. Pretende-se promover avanços no processo de gestão nos municípios pelo desenvolvimento do próprio estudo e a geração de bases conceituais e práticas aplicadas para a formação de recursos humanos e instrumentos de gestão municipal da assistência farmacêutica. Silvana Nair Leite 2010-2012 FAPESC
Utilização de medicamentos por idosos: identificação de problemas e intervenção farmacêutica Trata-se de um estudo realizado com idosos na cidade de Brusque (SC) e em um Asilo na cidade de Itajaí (SC). Utiliza-se metodologia de identificação de problemas na utilização de medicamentos e acompanhamento adaptado do Programa Dader. A partir dos dados levantados serão identificados problemas e intervenções para resolução, seja pelo farmacêutico ou pela indicação de outro profissional de saúde. No Asilo, a pesquisa faz parte de um programa de extensão multidisciplinar desenvolvido pela Univali. Silvana Nair Leite 2005-2008 FAPESC
Acesso a medicamentos em municípios catarinenses: organização dos serviços farmacêuticos e demanda social na garantia do direito universal à saúde. A gestão dos recursos em saúde encontra hoje desafios crescentes e cada vez mais complexos, ameaçando a viabilidade do SUS. O fornecimento de medicamentos, em especial aqueles de alto custo e os não padronizados pelos serviços, constitui-se atualmente uma problemática que necessita ser discutida com a sociedade e urgentemente tratada com alta responsabilidade técnica e gerencial pelos gestores públicos. As SMS têm como prerrogativa a seleção de medicamentos para seus municípios, além do gerenciamento dos programas estaduais e federais; também vêm sofrendo um crescente número de ações judiciais que obrigam ao fornecimento de medicamentos não padronizados, por solicitações individuais, o que já compromete parte importante dos recursos destas instituições. Duas pesquisas financiadas compõem este projeto: Da reorientação do modelo assistencial à pressão social: acesso a medicamentos via Sistema Único de Saúde por compra direta no Município de Florianópolis; Acesso a medicamentos em municípios catarinenses: organização dos serviços farmacêuticos e demanda social na garantia do direito universal à saúde. O presente projeto tem por objetivo avaliar as atividades de seleção de medicamentos e de atendimento às solicitações de medicamentos não padronizados nas Secretarias Municipais de Saúde e Desenvolvimento Social catarinenses e compreender as trajetórias e concepções dos usuários beneficiados pela compra direta de medicamentos. Para tanto, utilizará como referencial metodológico a avaliação por triangulação de métodos, proporcionando a interação de diferentes interlocutores e metodologias de pesquisa. Silvana Nair Leite 2005-2010 CNPq, FAPESC, PROBIC – Universidade do Vale do Itajai (bolsa), Programa Integrado Pós-graduação/Graduação – Univali (bolsa)
Representações e práticas de saúde no contexto popular O projeto tem por finalidade estudar as representações e práticas populares no enfrentamento de problemas de saúde específicos, como câncer e dores crônicas, e o uso de recursos terapêuticos nos itinerários construídos por indivíduos e grupos familiares. Utiliza recursos metodológicos apoiados na etnografia e levantamentos epidemiológicos e discute as implicações de tais representações e práticas para o campo da saúde pública. Silvana Nair Leite 2006-2010 Sem Financiamento
Avaliação do processo de seleção de medicamentos e de acesso àqueles não padronizados nos municípios catarinenses. A gestão dos recursos em saúde encontra hoje desafios crescentes e cada vez mais complexos, ameaçando a viabilidade do SUS. O fornecimento de medicamentos, em especial aqueles de alto custo e os não padronizados pelos serviços, constitui-se atualmente uma problemática que necessita ser discutida com a sociedade e urgentemente tratada com alta responsabilidade técnica e gerencial pelos gestores públicos. As SMS têm como prerrogativa a seleção de medicamentos para seus municípios, além do gerenciamento dos programas estaduais e federais; também vêm sofrendo um crescente número de ações judiciais que obrigam ao fornecimento de medicamentos não padronizados, por solicitações individuais, o que já compromete parte importante dos recursos destas instituições. Para lidar com esta problemática é imprescindível que estas instituições estejam preparadas para atuar na atividade técnica especializada de seleção de medicamentos e de construção de repostas às ações judiciais, assim como para atuar de forma intersetorial e intergestores. Nesta perspectiva o presente projeto tem por objetivo avaliar as atividades de seleção de medicamentos e de atendimento às solicitações de medicamentos não padronizados nas Secretarias Municipais de Saúde catarinenses. Seus objetivos específicos são descrever a estrutura, os processos de trabalho e os resultados decorrentes da atividade de seleção de medicamentos nas SMS; avaliar a capacidade técnica deste setor para atender às demandas atuais; avaliar a forma de gestão adotada nas SMS para a constituição das REMUMES e medicamentos não padronizados e compreender o contexto e a historicidade relacionada com o trabalho em assistência farmacêutica nas SMS. Silvana Nair Leite 2007-2010 FAPESC
Acesso a medicamentos via Sistema Único de Saúde nos municípios de Florianópolis, Itajaí e Blumenau: trajetória dos usuários e caracterização do fornecimento por compra direta. A crescente demanda por fornecimento de medicamentos por compra direta nos municípios de Florianópolis, Itajaí e Blumenau e suas conseqüências para a gestão da assistência farmacêutica, para a sanidade do sistema de saúde e para a garantia do acesso da população ao uso racional de medicamentos motiva a proposta do presente projeto. Seu objetivo é elaborar uma análise descritiva do fornecimento de medicamentos solicitados por usuários individuais pela Prefeitura Municipal de Florianópolis adquiridos por compra direta, dos anos 2005-2006 e elucidar as trajetórias dos usuários na busca deste serviço. Metodologia: Os dados serão obtidos dos arquivos de cadastros de autorizações financeiras do universo das autorizações de compras disponíveis dos anos de 2005 e 2006 nas Secretarias Municipais de Saúde e Secretarias Municipais de Desenvolvimento Social dos municípios de Florianópolis, Itajaí e Blumenau/ SC, e por busca ativa de usuários solicitantes de fornecimentos de medicamentos em 2006. Silvana Nair Leite 2007-2010 FAPESC
Entrega domiciliar de medicamentos nos municípios do Estado de Santa Catarina: onde, como, quem? O acesso a medicamentos é um indicador da qualidade e resolutividade do sistema de saúde e um determinante importante do cumprimento do tratamento prescrito. No sistema público de saúde brasileiro, o acesso aos medicamentos essenciais de uso ambulatorial ocorre nas Unidades de Saúde e nas farmácias privadas que possuem o programa Aqui tem Farmácia Popular. Nos últimos anos, ainda no sistema público de saúde, tem se destacado a entrega domiciliar de medicamentos para o tratamento de algumas doenças crônicas. O objetivo desta pesquisa é identificar quais os municípios catarinenses possuem entrega domiciliar de medicamentos e como e para quem são fornecidos estes medicamentos. Trata-se de um estudo transversal que será dividido em duas etapas, sendo a primeira para identificação dos municípios catarinenses que possuem alguma forma de entrega domiciliar de medicamentos. Esta pesquisa será realizada com todos os municípios catarinenses através de um questionário estruturado fechado e online que será enviado para o gestor municipal da Assistência Farmacêutica. Carine Raquel Blatt 2014-2015 FAPESC
Programa de monitoramento e qualificação de fornecedores de medicamentos para o SUS na Região da Amurel A aquisição de medicamentos no serviço público de saúde brasileiro através de licitação com critério de menor preço gera preocupação para com a qualidade dos produtos distribuídos à população. A avaliação da qualidade dos medicamentos distribuídos pode assegurar que estes ao serem dispensados na rede pública possuam qualidade e que possam ser utilizados com segurança pelos pacientes, entretanto a utilização desta ferramenta é muita onerosa aos cofres públicos. Uma alternativa para o SUS seria a utilização do monitoramento da qualidade associado a um programa de qualificação de fornecedores o que pode tornar-se um subsídio no aperfeiçoamento do processo de licitação. A partir do momento que um fornecedor é qualificado o monitoramento pode ser esporádico com o objetivo de requalificação. Desta forma o objetivo deste projeto é obter um sistema de seleção de medicamentos para monitoramento e desenvolver um programa de avaliação e qualificação de fornecedores de medicamentos adquiridos pelas Secretarias Municipais de Saúde da AMUREL e que possa ser aplicado no futuro em toda a rede SUS Luiz Alberto Kanis 2010-2012 FAPESC
Levantamento dos fatores relacionados aos pacientes que comprometem a adesão à terapia medicamentosa Sem descrição Roniele Balvedi Iacovski 2007-2009 Universidade do Sul de Santa Catarina (remuneração)
Fator de risco e efeitos adversos dos pacientes em tratamento para o HCV nos municípios de Tubarão e Criciúma. Este estudo transversal teve por objetivo identificar o perfil dos pacientes que realizaram o tratamento no município de Tubarão e Criciúma, presença de outras doenças concomitantes, exposição a fatores de risco para a contaminação, tratamentos e efeitos adversos do tratamento. Carine Raquel Blatt 2007-2008 Universidade do Sul de Santa Catarina (remuneração)
Avaliação da adesão terapêutica de doentes de AIDS Levantamento dos fatores que comprometem a adesao a terapia anti-retroviral. Dayani Galato 2006-2008 Universidade do Sul de Santa Catarina (remuneração)
Avaliação da Assistência Farmacêutica relacionada ao Programa de Medicamentos Excepcionais do Estado de Santa Catarina no ano de 2002 a 2004 Avaliação da Assistência Farmacêutica relacionada ao Programa de Medicamentos Excepcionais do Estado de Santa Catarina no ano de 2002 a 2004. Carine Raquel Blatt 2003-2005 FAPESC
Atenção farmacêutica as crianças HIV positivas Projeto de desenvolvimento do seguimento farmacêutico de crianças portadoras do vírus da AIDS atendidas no Hospital Dia do Hospital Infantil Joana de Gusmão do município de Florianópolis. Darlene Maria Stollmeier 2002-2004 Sem Financiamento

PROJETOS DE DESENVOLVIMENTO

Título Descrição Coordenador Período Financiamento
Especialização em gestão da assistência farmacêutica – EAD: uma proposta em rede para a qualificação da Assistência Farmacêutica no SUS O curso Gestão da Assistência Farmacêutica – Especialização a distância é coordenado pela Universidade Federal de Santa Catarina e visa atender à demanda do Ministério da Saúde, no âmbito do Programa Nacional de Desenvolvimento Gerencial do SUS – PNDG da Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde – SGTES, responsável pelo financiamento. O Departamento de Assistência Farmacêutica da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos – DAF/SCTIE contribui com o apoio técnico-estratégico e o curso é desenvolvido no âmbito da Universidade Aberta do SUS (UnA-SUS). O projeto objetiva o desenvolvimento de tecnologias para a produção de conteúdos para o ensino a distância, quanto para a utilização desta ferramenta no processo ensino-aprendizagem e a oferta de 2.000 vagas para farmacêuticos atuantes no serviço público de saúde, visando qualificar a organização da assistência farmacêutica no âmbito do Sistema Único de Saúde e contribuir para garantia do acesso e uso racional de medicamentos no país. A elaboração dos conteúdos envolveu 56 conteudistas convidados de 20 instituições do país. O material foi produzido nos formatos on line e pdf, e disponibilizado eletronicamente na Plataforma ARES: http://ares.unasus.gov.br/acervo. A operacionalização do Curso foi organizada em 18 Polos Regionais, estabelecidos por meio de Convênios de Colaboração Técnico-Científica com IES sob a coordenação dos seguintes docentes: Regina de Jesus Santos, UFBA-Salvador; Márcio Galvão Guimarães de Oliveira, UFBA-Vitória da Conquista; Sílvia Storpirtis, USP-São Paulo; Leonardo Regis Leira Pereira, USP-Ribeirão Preto; Suely Galdino e Maisa Cavalcanti Pereira, UFPE; Rafael Mota Pinheiro, UNB; Benedito Carlos Cordeiro, UFF; Denise Bueno, UFRGS; Ester Massae Okamoto Dalla Costa, UEL; Livio Cesar Cunha Nunes, UFPI; Maria Helena Seabra Soares de Britto, UFMA; Maria Menezes e Ana Célia da Silva Moura, UFAM; Mércia Pandolfo Provin, UFG; Bianca Ramos Pezzini, UNIVILLE; Tadeu Uggere de Andrade, UVV; Maria Helena Braga, UFJF. Neste processo estão envolvidos docentes e discentes de diferentes Programas de Pós-Graduação. Mareni Rocha Farias 2010-2015 Ministério da Saúde
Capacitação para a Gestão da Assistência Farmacêutica – EAD O projeto objetiva a produção de material didático instrucional e organização de um Curso na modalidade EaD para capacitar farmacêuticos e professores universitários para a gestão da assistência farmacêutica no Sistema Único de Saúde. A proposta será desenvolvida em duas etapas, conforme liberação dos recursos financeiros: 1) Revisão e adaptação de material didático-pedagógico (dezembro de 2012 a dezembro de 2013); 2) Realização de dois Cursos de atualização (2014-2015). A demanda não atendida no Curso “Especialização em Gestão da assistência Farmacêutica – EaD e o crescente número de concursos públicos para farmacêuticos em estados e municípios aponta para uma demanda significativa por capacitação na área. Considerando que as mudanças curriculares nos cursos de graduação em Farmácia, no que diz respeito à formação para qualificar a assistência farmacêutica no SUS, ainda são muito tímidas, a capacitação de farmacêuticos permanece como uma necessidade. Neste sentido, a possibilidade de capacitação de docentes de graduação poderia contribuir para fomentar as mudanças requeridas na graduação e ampliar o potencial de formação de profissionais com habilidades para atuar no e para o SUS. Na mesma direção, o envolvimento maior dos docentes pode ser um fator facilitador para a posterior replicação do curso nas respectivas regiões. Espera-se que os farmacêuticos egressos do curso possam desenvolver atividades de gestão da assistência farmacêutica, de acordo com os princípios e diretrizes do SUS, tanto no cenário da gestão central de estados e municípios, quanto na gestão das atividades em seu ambiente de trabalho, em unidades de saúde, centrais de abastecimento, programas específicos, entre outros. Espera-se que os docentes egressos do curso atuem como multiplicadores tanto na formação dos estudantes de graduação nos cursos de farmácia, quanto de outros profissionais farmacêuticos do SUS. A experiência acumulada nestes projetos confirma a necessidade de capacitação para a gestão da assistência farmacêutica e que as diretrizes propostas no curso foram acertadas. Por outro lado, problemas encontrados na operacionalização do curso merecem ser trabalhados no sentido de aperfeiçoar a proposta a ser disponibilizada na plataforma da UNA-SUS Eliana Elisabeth Diehl 2012-2016 Ministério da Saúde
Cooperação Técnico Científica para o Desenvolvimento da Assistência Farmacêutica no âmbito da Secretaria de Estado da Saúde de Santa Catarina Sem descrição Mareni Rocha Farias 2003-2006 Secretaria de Estado da saúde (bolsa)